Início São José dos Campos Vítimas de acidentes vão às ruas por mais segurança no trânsito em...

Vítimas de acidentes vão às ruas por mais segurança no trânsito em São José dos Campos

Foto: Claudio Vieira/PMSJC

Com a participação de vítimas de acidentes, uma ação inédita de conscientização sobre o trânsito em São José vem reforçando o risco da desatenção e da imprudência para os motoristas da cidade. Na faixa de pedestre de um cruzamento da avenida Cidade Jardim, no Satélite, vítimas exibiram cartazes sobre o número de acidentes ocorridos na cidade, na manhã desta sexta-feira (20).

Publicidade

Quando o sinal fechava, um grupo de 30 pessoas, que representa o número médio de acidentes em São José a cada semana, se posicionava sobre a faixa de pedestre para despertar a conscientização sobre a importância do comportamento seguro no trânsito.

A campanha especial ocorre em meio às ações do Maio Amarelo, para sensibilizar motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres sobre os riscos envolvendo o trânsito, o comportamento irresponsável, a imprudência e o desrespeito as regras de trânsito. Segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária, 90% dos acidentes ocorrem por falhas humanas, que podem envolver desde a desatenção dos condutores até o desrespeito à legislação.

Toda a ação educativa foi gravada e será veiculada nos canais oficiais da Prefeitura, inclusive com depoimentos de vítimas para despertar a conscientização sobre a importância da segurança viária.

Foto: Claudio Vieira/PMSJC

Luiz Guilherme de Jesus Raimundo, 32 anos, se lembra do dia do acidente que o deixou em uma cadeira de rodas. Foi na tarde do dia 29/01/2017. “Em segundos, minha vida mudou. Foi uma imprudência. Eu estava de moto e fiz uma ultrapassagem em uma curva. Quando acontece é tudo muito rápido e você tem que decidir na hora. Ia bater de frente com um carro, desviei e cai em uma cerca”, disse.
Segundo ele, uma escolha errada pode resultar numa consequência irreparável. “Temos de tomar cuidado com nossas escolhas. Nosso maior patrimônio é a nossa vida. Tem muita gente imprudente e no trânsito devemos dirigir para todos”, disse.
Guilherme fez questão de participar da ação para despertar nos mais jovens a conscientização sobre os riscos do trânsito. “A pressa é inimiga. Escolha dar a passagem para o outro e espere. Essa foi minha lição”
E para superar ele participou de grupos de acolhimento no Hospital Lucy Montoro e há cerca de um ano integra o programa Party, da Secretaria de Saúde em parceria com a Secretaria de Mobilidade Urbana para a conscientização de jovens sobre o uso da bebida ao volante. “Eu vi neles a inspiração para lutar. A cadeira não é o fim. Vou tirar minha habilitação, fazer cursos e ter uma vida mais próxima do normal”.

O motoboy Jonathans Ribeiro, 34 anos, também é uma vítima do trânsito. Em dezembro de 2019, foi atingido por um carro quando cruzava a avenida dos Evangélicos, no Campo dos Alemães, para fazer uma entrega. “Eu estava trabalhando e fui atingido por um motorista que estava alcoolizado e que não prestou socorro. Quebrei o planalto tibial da perna direita. Não perdi a perna, mas levei 1 ano e cinco mesmo para me recuperar”, disse.
Para ele, o trânsito ainda é muito perigoso. “É a irresponsabilidade e a falta de bom senso os principais causadores de acidentes. O trânsito continua perigoso por causa da atitude das pessoas. A vida do outro se tornou banal e falta respeito pelo ser humano. Por isso, a conscientização é tão importante e deve ser repassada, principalmente para que as crianças de hoje sejam, no futuro, motoristas que respeitam pessoas”.

Foto: Claudio Vieira/PMSJC

Vítima de um acidente de moto que a fez perder a perna direita, a dona-de-casa Bárbara Caroline Tenório, 34 anos, também fez questão de deixar seu recado. “Não podemos deixar a tristeza de nossas perdas, tomar conta de nossos pensamentos. Nosso objetivo é mostrar os riscos do trânsito e salvar vidas.