Início Pindamonhangaba Pessoas em situação de rua têm apoio em Pindamonhangaba durante a pandemia

Pessoas em situação de rua têm apoio em Pindamonhangaba durante a pandemia

Foto: divulgação/Assessoria de Imprensa

Os serviços de abordagem social às pessoas em situação de rua em Pindamonhangaba, realizados pela Prefeitura de Pindamonhangaba por meio da Secretaria de Assistência Social, estão reforçando o atendimento devido à pandemia, com a orientação sobre o uso de máscaras e o convencimento para que esses moradores sejam encaminhados ao alojamento emergencial municipal. Em março, foram realizadas 105 abordagens para munícipes em situação de rua.

“A Secretaria de Assistência Social não mede esforços para ampliar as abordagens sociais inclusive com implementação do Programa Ronda Noturna, criado em 2018, intensificando as abordagens no período de inverno, procurando retirar essas pessoas da situação de risco social e vulnerabilidade. Essas pessoas merecem todo nosso carinho e atenção, pois trata-se de seres humanos e nosso objetivo principal é reinseri-las na sociedade bem como encaminhá-las aos programas sociais ofertados no município”, explica a secretária de Assistência Social Ana Paula Miranda.

Publicidade
Foto: divulgação/Assessoria de Imprensa

O alojamento emergencial, localizado no ginásio de esportes “Quadra Coberta”, foi criado pela gestão no início da pandemia, com objetivo de oferecer dignidade aos munícipes que estão em situação de rua, abrigo com camas, banho, roupas e alimentação diária, para que possam permanecer em local seguro, onde são seguidas todas as normas e protocolos de prevenção à covid-19. No alojamento emergencial são atendidos atualmente 15 acolhidos do sexo masculino, e em parceria com o SOS, mais 15 vagas.

De acordo com a diretora de Proteção Social Especial, Vânia Miguel, a equipe de abordagem não mede esforços para encontrar e localizar as pessoas em situação de rua. Se adentram em locais como terrenos baldios, locais de difícil acesso como áreas verde e matagais, durante o dia ou noite, sempre com objetivo de acolher essas pessoas com humanização e respeito.

“Infelizmente, muitos não aceitam apresentando resistência às abordagens e ofertas dos serviços, mas isso não nos tira nenhum tipo de foco no atendimento, pelo contrário. Nós continuamos insistindo, ofertando, sendo presente na vida dessas pessoas. As causas são diversas: ausência de vínculos familiares, perda de algum ente querido, desemprego, violência, perda da autoestima, alcoolismo, uso de drogas e transtornos mentais”, explica a diretora, lembrando que o município oferta programas habitacionais e programas assistenciais (Bolsa família, PEAD, Capacitação profissional, fortalecimento de vínculos e EJA).

Segundo a diretora Vânia, a equipe da Proteção Social Especial realiza junto com os acolhidos a construção de um novo plano de vida ou retomada de alguns projetos como retornar aos estudos, capacitação profissional, tratamento da dependência química, fortalecer os vínculos familiares, retornar ao mercado de trabalho, em consequência tem resultados positivos, com vários retornando ao núcleo familiar (ao LAR), outros conseguem alugar moradia, se inscrever em programa habitacional, deixando a situação de rua.