A Secretaria de Educação da Prefeitura de Pindamonhangaba definiu o calendário de retomada às atividades escolares no município.

Esta semana, haverá plantão pedagógico, onde grupos de 15 alunos serão chamados para trabalhos de recuperação e aprofundamento pedagógico 3 vezes por semana por um período de três horas.

Publicidade

De 01 a 05 de março haverá o retorno às aulas presenciais com revezamento dos alunos do ensino fundamental e EJA (Educação de Jovens e Adultos).

De 08 a 12 de março haverá o retorno às aulas presenciais com revezamento dos alunos do ensino fundamental, EJA (Educação de Jovens e Adultos) e Pré II.

Entre 13 e 19 de março, além dos grupos já classificados, haverá a chegada do Pré I. Entre 22 e 26 de março, além dos grupos já classificados, haverá a entrada do infantil I e Infantil II. De 29 de março a 1 de abril, serão incorporadas também às crianças dos berçários.

Para todas as datas, a quantidade de alunos é de acordo com a classificação do município em relação ao Plano São Paulo. Quando o município estiver na fase laranja, a capacidade será de 1/3 dos alunos; se estiver na amarela, 50%. As aulas acontecerão de segunda a quinta-feira, com no máximo 3 horas por dia. Às sextas-feiras as unidades escolares serão higienizadas.

A Secretária de Educação, Luciana Ferreira, ressaltou o empenho da Prefeitura com a adaptação dos professores e alunos a uma nova realidade. “Estamos muito atentos com tudo que vem ocorrendo. Dentro dessa realidade, nos dedicamos muito a essa ‘nova escola’ que vai receber os alunos e as novas formas de relação impostas pela pandemia que exigem a adaptação de todos os profissionais da educação, alunos e famílias. Com isso teremos aulas presenciais de maneira segura e eficiente”, afirmou.

A secretária disse que o cenário é dinâmico e novos ajustes poderão ser feitos para garantir a permanência, com segurança, dos alunos e profissionais da educação. “Formações focadas nas novas metodologias educacionais e cuidados para a preservação da saúde física e mental serão promovidas”, afirmou.