Início Variedades Documentário “Onde a natureza faz história” apresenta trabalho de produtores rurais da...

Documentário “Onde a natureza faz história” apresenta trabalho de produtores rurais da região de Mogi das Cruzes

Imagem: divulgação/Assessoria de Imprensa

Curta produzido pelo Instituto Ecofuturo apresenta o trabalho que une geração de renda à conservação da Mata Atlântica

Ecofuturo, organização mantida pela Suzano, referência global na produção de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, produziu um minidocumentário em que apresenta a história de pequenos e médios proprietários rurais da região de Mogi das Cruzes (SP), no entorno do Parque das Neblinas – reserva ambiental da empresa, gerida pelo Instituto –, que participam de um projeto realizado há mais de dez anos pelo Ecofuturo, com objetivo de apoiar o desenvolvimento sustentável da região, unindo conservação da floresta à geração de renda. O filme “Onde a natureza faz história” foi produzido pelo Instituto Ecofuturo e dirigido por Marcio Isensee e Sá.

Com apoio de especialistas ambientais, as Oficinas de Manejo Comunitário são realizadas, desde 2008, e promovem a troca de experiências e informações relacionadas a temas de interesse do grupo, como gestão de propriedades rurais, manejo florestal e empreendedorismo sustentável.

Publicidade
Imagem: divulgação/Assessoria de Imprensa

O documentário traz o relato de diversos proprietários que, também por meio da participação nas oficinas, transformaram suas relações com a mata remanescente em seus territórios, valorizando a importância da restauração e conservação da Mata Atlântica e, ainda, descobrindo oportunidades de geração de renda a partir do cultivo de espécies nativas, como o cambuci.

Esse é o caso, por exemplo, de Rafael Hussta, que há nove anos participa das Oficinas e hoje comercializa produtos com frutos da Mata Atlântica, além de ser representante de Mogi das Cruzes na Rota Gastronômica do Cambuci. “Sempre tive vontade de trabalhar com frutas nativas da região e, depois de frequentar as Oficinas, comecei junto ao meu pai e minha esposa a nossa própria produção. Hoje fazemos cachaça, geleia, molho de pimenta, farinha, biscoito, entre outros produtos. Para mim, as Oficinas vão além da troca de conhecimentos e são também reuniões de amigos”, conta Hussta.

“Além das trocas e do compartilhar de conhecimentos técnicos e tradicionais, o programa é um espaço para cultivar relações e para o fortalecimento de uma rede de pessoas que compartilham dos mesmos interesses. Por isso, a produção deste documentário mostrou-se fundamental para a valorização das práticas desenvolvidas pelos proprietários envolvidos, e da articulação realizada  em mais de uma década pelo Instituto. É uma forma tamém de promovermos o tema da conservação e inspirar outras iniciativas”, afirma Michele Martins, analista de sustentabilidade no Instituto Ecofuturo.

Outra história relatada no filme é a de João Roberto de Almeida que, em três anos participando das Oficinas, restaurou uma área que havia sido desmatada na sua propriedade. “A Mata Atlântica é um doas biomas mais ricos em biodiversidade do mundo, mas também um dos mais impactados no País. Hoje, restam apenas 12% da sua extensão original, e cerca de 80% da vegetação remanescente encontram-se em propriedades privadas, reforçando a necessidade do trabalho de conscientização em prol de sua conservação”, conclui Paulo Groke, diretor superintendente do Instituto Ecofuturo.

Imagem: divulgação/Assessoria de Imprensa

A produção é um retrato do trabalho construído a diversas mãos, em mais de dez anos de programa. O filme aborda a troca de saberes, o cultivo das relações, a promoção do conhecimento e da conservação e, também, a história da área e das pessoas que trabalham pela sua proteção – tudo isso, tendo a Mata Atlântica como cenário para a narrativa. Confira o minidocumentário no canal do Instituto Ecofuturo no YouTube: youtube.com/institutoecofuturo

Sinopse | Onde a natureza faz história

(19:54min) | 2020

Em Mogi das Cruzes (SP), produtores rurais contribuem com a proteção da Mata Atlântica e promovem o manejo de produtos florestais, como frutos da palmeira-juçara e cambuci. É uma estratégia que integra o desenvolvimento sustentável e a conservação ambiental. A presença do Parque das Neblinas na região fomentou a criação de uma rede de proprietários que, desde 2008, se reúne para troca de conhecimento, visando a valorização da floresta em pé. Com cerca de 80% dos remanescentes de Mata Atlântica dentro de propriedades privadas, esta iniciativa é fundamental para a manutenção dos recursos florestais e hídricos na grande São Paulo, além da transformação positiva da realidade local. 

Trailer:

Ficha Técnica

Produção                                  Instituto Ecofuturo

Direção e Fotografia                   Marcio Isensee e Sá

Roteiro                                     Juliana Coutinho

Edição de Som e Mixagem          Felipe Ridolfi

Trilha Sonora                             Pedro David Leal

Colorização                               O2 Pós

Coordenação                             Instituto Ecofuturo

Sobre o Parque das Neblinas

Certificado pelo Programa Homem e Biosfera da UNESCO como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, o Parque das é uma reserva ambiental da Suzano, gerida pelo Ecofuturo, com 7 mil hectares. No local, são desenvolvidas atividades de ecoturismo, pesquisa científica, educação ambiental, manejo e restauração florestal e participação comunitária.

Sobre o Instituto Ecofuturo

O Instituto Ecofuturo contribui para transformar a sociedade por meio da conservação ambiental e promoção de leitura, integrando livros, pessoas e natureza. Entre as principais iniciativas estão o projeto Biblioteca Comunitária Ecofuturo, com a implantação de mais de 100 bibliotecas no País, e a gestão do Parque das Neblinas, onde são desenvolvidas atividades de educação ambiental, pesquisa científica, ecoturismo, manejo e restauração florestal, e participação comunitária. Organização sem fins lucrativos, fundada em 1999 e mantida pela Suzano, o Instituto atua como articulador entre sociedade civil, poder público e o setor privado. Conheça mais sobre o Ecofuturo em ecofuturo.org.br, e acompanhe em facebook.com/InstitutoEcofuturoyoutube.com/institutoecofuturo e instagram.com/ecofuturo.

Sobre a Suzano

A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.