Início Variedades Reaberturas de Economias e Fronteiras dão Sinais Positivos para Ativos de Turismo...

Reaberturas de Economias e Fronteiras dão Sinais Positivos para Ativos de Turismo e Aviação

Imagem: Bando de Imagens/divulgação

A reabertura mundial pós – quarentena reaquece o consumo e reflete no mercado de ações. Os ativos voltados para turismo e aviação, mesmo diante de um cenário desafiador, reagem positivamente e investidores ficam atentos para aplicações a longo prazo.

Quem comprou ações da Azul (AZUL4), da Gol (GOLL4) ou da CVC (CVCB3), no meio do anúncio da pandemia, logo após toda a sequência de desvalorização, já pode colocar no bolso um lucro de cerca de 275% em CVC, 130% em Azul e 260% em Gol.

Publicidade

Mesmo com toda essa valorização da CVC, o presidente da empresa acredita que deverá produzir em 2020 apenas 50% do volume de vendas do ano passado, mas também afirma que já tem cerca de 24% do volume realizado no mesmo período de 2019, o que é melhor do que a faixa em torno de 12% registrada no mês passado. Houve promoções que incentivaram as pessoas a comprarem pacotes antecipados.

O assessor de investimentos Willian Sávio, da Plátano Investimentos – XP Investimentos, de São José dos Campos, explica quais fatores favorecem os investidores a olharem para estes segmentos.

Passado o olho do furacão da pandemia, neste mês de junho a operadora de viagens brasileira CVC reabriu 1000 lojas e planeja retomar 100% das atividades nos próximos dias. O que deverá movimentar toda uma cadeia produtiva, como a rede hoteleira, companhias aéreas, bares e restaurantes e o setor de combustíveis.

Para as companhias aéreas como a Azul, o lucro líquido ajustado foi da ordem de R$1 bi no primeiro trimestre de 2020, contra lucro de mais de R$100 milhões no primeiro trimestre de 2019. Como estratégia de enfrentamento, a empresa reduziu salários de funcionários e diretoria e renegociação de pagamentos com extensão dos prazos. Um ponto muito positivo para a Azul é que grande parte dos seus vencimentos estão concentrados para 2024, o que promove boas condições para ultrapassar esse momento de maior incerteza.

 “Isso tudo é economia real, mas falando de bolsa de valores, as principais ações do setor já recuperaram aproximadamente 50% do movimento de queda nas últimas semanas. Enquanto toda a nossa bolsa segue o ritmo de otimismo internacional com o aumento das expectativas de reabertura, chegando a mais de 94 mil pontos. ”explicou Willian Sávio.

É importante ressaltar que não é apenas a esperança de redução de novos casos do vírus e a reabertura de comércios e fronteiras que trazem essa onda de bom humor para os mercados internacionais e para os setores de turismo e aviação.

“Um ponto importante é a enxurrada de liquidez que estamos vendo por parte dos bancos centrais em todo o mundo. Enquanto empresas e pessoas passam por apertos de caixa, redução de receitas e aumento de endividamento, os governos injetam dinheiro diretamente na veia de negócios e famílias. Segundo o FMI, já foram gastos mais de US$10 trilhões em esforços para a contenção dos efeitos da pandemia” disse Sávio.

Outro fator que contribui para o interesse nas ações de turismo e aviação como atrativas ao longo prazo se deve a taxa de juros, que está nos níveis mais baixos em diversos países. No Brasil, de 14,25% em 2015 para 2,25% em junho de 2020, o que fez com que a poupança passasse a render 1,57% ao ano, enquanto a inflação projetada para 2020 é de 1,6%.

Um bom exemplo é o fenômeno de juros reais negativos que começou no Japão há 20 anos e hoje existe um total de 15 trilhões de dólares em títulos com juro real abaixo de zero, o que abre espaço para investidores estrangeiros buscarem incrementar a carteira de investimentos em mercados emergentes como o Brasil.

“Podemos observar esse movimento quando olhamos o fluxo estrangeiro na Bolsa Brasileira. Apesar de estarem negativos no ano, no mês de junho esse fluxo já se mostra levemente positivo, o que significa que nas semanas mais recentes há mais investidores estrangeiros apostando na alta da Bolsa do que na baixa. Não podemos dizer se esse movimento veio para ficar, visto o tamanho das incertezas que ainda temos no país, mas é um ponto para ficar de olho antes da tomada de decisão em quais ativos investir”, finalizou o assessor da Plátano Investimentos.

Fonte: Plátano Investimentos: Av. Cassiano Ricardo, 319, sala 2106. Ed. Pátio das Américas. Jardim Aquarius. (12)3322-8916.