Início Pindamonhangaba Pinda registra 4,3 de densidade larvária e colocar cidade em alerta para...

Pinda registra 4,3 de densidade larvária e colocar cidade em alerta para a epidemia de dengue

(Foto: divulgação/Assessoria de Imprensa)

Pindamonhangaba registrou o resultado da Avaliação de Densidade Larvária (ADL) e irá autuar imóveis que forem encontrados a larva do mosquito Aedes aegypti.

A avaliação se referente a da 1ª ADL do ano – janeiro de 2020 – com média de 4.3, que deixa Pindamonhangaba em estado de alerta, considerando o índice insatisfatório para o Ministério da Saúde, que preconiza ser menor que 1.

Publicidade

A ADL tem o objetivo de prever a faixa de incidência em que o município se enquadra e prognosticar uma possível epidemia de dengue, Chikungunya e Zika vírus cidade.

De acordo com informações da Secretaria de Saúde da Prefeitura, os índices mais altos de larvas do mosquito Aedes aegypti foram encontrados na área 2, com registro de 4.12 (Parque Ypê, Campo Alegre, Vila Prado, Mombaça) e área 3 com registro de 9.54 (Parque das Nações, Bela Vista, Araretama, Parque Lago Azul). Regiões estas que compõem a somatória acumulada 53 casos positivos para dengue no município.

“Fazendo um comparativo com o mesmo período de 2019, passamos do índice médio da cidade de 3.6 para 4.3, um acréscimo de 19,4 % que nos colocando em alerta maior, visto que os índices representam que a cada 100 imóveis visitados, no mínimo 4, chegando até 9 imóveis, foram encontradas larvas do mosquito Aedes aegypti transmissor da dengue, zika vírus, chikungunya e febre amarela”, afirmou o Sr. Rafael Lamana, diretor do Departamento de Proteção aos Riscos e Agravos a Saúde.

Lamana explica que com esta avaliação há grandes possibilidades de termos epidemia da doença na cidade e por isso, a participação da população é fundamental para que possamos fazer o enfrentamento da epidemia.

As ações são de cunho simples com adoção de atitudes básicas referentes ao tema sanitário e epidemiológico, eliminando qualquer objeto inservível, exposto a céu aberto, que possa acumular água e ser um potencial criadouro do Aedes aegypti em seu(s) imóvel(is), e não sendo possível, adotar medidas diárias, com um olhar e atitudes críticas nestes objetos, pois o maior local de incidência dessas larvas estão nas residências (bebedouros para animais, depósito de água não ligada à rede de abastecimento, potes, lixo no quintal, sucatas, pratos e vasos de plantas e ralos externos).

Segundo o diretor, para enfrentarmos a possível epidemia, vale ressaltar o trabalho de prevenção. A equipe de Controle de Vetores da Prefeitura realiza ininterruptamente a vistoria em imóveis residenciais e comerciais, mas a população não deve esperar a vistoria dos agentes, deve colaborar fazendo cada um a sua parte todos os dias.

“Com estes resultados podemos observar que parte da população vem deixando a desejar quanto a participação na campanha de combate ao mosquito, com isto, naqueles imóveis que forem encontrado criadouro do mosquito, com a larva do Aedes aegypti, ou que houver a recusa no franqueamento do acesso dos agentes aos imóveis, poderão ser autuados com valor que variam de R$ 289,86 a R$1.932,40 combinado com a suspensão / cancelamento da Licença de Funcionamento, caso seja uma atividade comercial e/ou encaminhamento ao judiciário para providências no campo de crime a saúde pública”, informou o diretor.

Lamana destaca que “a intenção, obviamente, não é lavrar auto de infração e sim zelar pela saúde coletiva da população, porém a participação de todos quer seja órgão público, privado ou a população geral é obrigatória”, finaliza.

Denúncias sobre o assunto podem ser feitas pelo aplicativo E-ouve, disponível a Android e IOS, presencial no Protocolo da Prefeitura Municipal de Pindamonhangaba ou na Subprefeitura de Moreira César, ainda por meio do processo eletrônico 1Doc.