Início Sociais Projeto fortalece musculatura e garante qualidade de vida a idosos

Projeto fortalece musculatura e garante qualidade de vida a idosos

COMPARTILHAR

O projeto ‘Viva Bem’ da Fundação José Carlos da Rocha tem proporcionado melhorias significativas com a prática de exercícios físicos para dezenas de idosos de dois lares assistenciais: São Vicente de Paulo (Pindamonhangaba), onde é aplicado há quatro anos, e Casa do Ancião Luiza de Marilac (Taubaté), local em que é praticado há oito anos.

A iniciativa consiste em exercícios duas vezes por semanas para os internos das instituições. Dentre as atividades que são desenvolvidos estão: treinamento funcional para melhorar as condições de vida no dia a dia, como sentar, deitar, levantar, caminhar – deslocamento do quarto até o refeitório, banheiro e todas as funções de equilíbrio e de coordenação motora. “Os exercícios passados ao grupo de vovôs e vovós visa fortalecer a musculatura para que eles tenham qualidade de vida em suas ações cotidianas – facilitando o alcance de suas metas físicas – cama, banheiro, vaso sanitário, chuveiro, refeitório – e evitando quedas – que é uma das situações que mais causa danos e complicações às pessoas de idade elevada “, explicou a professora Flávia do Amaral – educadora física especializada em idosos.

Segundo ela, além dos resultados básicos, como fortalecimento do grupo muscular dos braços e das mãos para pegar objetos e se apoiar, e das pernas para locomoção, há melhorias mais significativas em conjuntos musculares mais complexos.

Dona Maricota, de 98 anos, do Lar São Vicente de Paulo, que utilizava cadeira de rodas de modo dificultoso – hoje mantém o objeto apenas como medida preventiva para seu deslocamento. Atualmente ela já consegue entrar e sair da cadeira e tem forças nos braços para ‘empurrar’ a cadeira.

Com dona Rosinha, de 92 anos, do ‘Luiza de Marilac’, o resultado é notório com o andador. “Antes ela apenas ‘sustentava’ o peso no andador e tinha sacrifício enorme para caminhar – chegava a chorar quando tinha que se deslocar de um ponto a outro. Hoje ela consegue subir e descer de escadas, rampas e fazer todas suas atividades sem nenhuma dificuldade – mesmo em terrenos irregulares”, avaliou Flávia.

Para chegar a esse ponto de evolução com o grupo de idosos dos dois lares e devolver a autonomia física a eles, Flávia do Amaral utiliza exercícios como alongamento, fortalecimento muscular, equilíbrio, coordenação motora – com faixa elástica, bolas de diversos tamanhos,  bexigas, cones – escada de agilidade, equipamento de academia da melhor idade, barras paralelas, halteres, caneleiras, dentre outros.

“É um trabalho que tem que ser contínuo, pois se de um lado o fortalecimento muscular é gradual e lento, a atrofia é severa muito mais acelerada”, comparou.