Início São José dos Campos Máscaras feitas por voluntários ampliam estoque das unidades em São José dos...

Máscaras feitas por voluntários ampliam estoque das unidades em São José dos Campos

Foto: Adenir Britto/CMSJC

Se a pandemia continua a aumentar, a solidariedade é maior. Em São José dos Campos, cerca de 40 voluntários se juntaram e estão produzindo protetores faciais para uso dos profissionais de saúde no tratamento dos pacientes com sintomas de covid-19, sejam casos suspeitos ou confirmados.

Esse material é bem-vindo e vai reforçar o estoque das unidades de saúde da Prefeitura e também de hospitais da rede privada. Especialmente neste momento, em que todos os países encontram dificuldades para adquirir produtos e matérias-primas da área médico-hospitalar, já que os fornecedores de equipamentos de proteção individual não conseguem suprir a alta demanda.

Publicidade

No total, o grupo vai doar 6 mil desses equipamentos para as unidades da rede pública municipal, sendo que 4 mil já foram entregues. Denominado Máscaras Solidárias, o projeto reúne professores, estudantes e funcionários da Univap, empresários, integrantes de entidades e munícipes que, de maneira espontânea, se dispuseram a ajudar na causa.

Todos contribuem nas diversas tarefas, desde a fabricação das máscaras de acetato até a embalagem do produto. A logística e distribuição está concentrada na Univap, no campus da Urbanova.

As máscaras são confeccionadas em máquina a laser e impressora 3D. Desde que começou esse trabalho, há mais ou menos um mês, o modelo vem sendo aprimorado, com melhorias que o tornaram mais prático na hora da limpeza e higienização. Atualmente o grupo estuda a possibilidade de usar o policarbonato como opção.

Um dos idealizadores da ação é o professor Irapuan Rodrigues, da área de astrofísica da universidade. “Quando iniciou essa pandemia, pessoas do mundo inteiro tiveram iniciativas como a nossa. Como pesquisador da Univap, eu vi que aqui tinha estrutura para desenvolver um projeto que pudesse ajudar os profissionais de saúde.”

“Esse grupo começou modesto e foi crescendo, com alunos e professores, e agregou parceiros”, diz o professor de engenharia biomédica Alessandro Correa Mendes. Ele ressalta que o objetivo é ampliar o trabalho para mais uma frente, que é a manutenção de equipamentos médicos hospitalares.

Para a aluna Caroline de Vasconcelos Castro, do curso de engenharia aeronáutica, a satisfação de fazer o bem não tem preço. “Está sendo maravilhoso. Quando vemos a quantidade de máscaras que sai por dia e os profissionais de saúde utilizando-as, é gratificante. Saber que estamos ajudando de alguma forma é muito bom.”

Moradora na Vila Industrial, Fernanda Zucareli, aderiu à proposta na primeira hora. “Eu gosto da parte de voluntariado. É algo que está contribuindo para o meu desenvolvimento como pessoa, e me deixa muito feliz saber que estou contribuindo para cuidar daqueles que não podem deixar de trabalhar e estão cuidando dos nossos familiares.”

Pesquisadoras da Unifesp desenvolvem projeto semelhante, chamado Higia, com produção de protetores faciais em impressora 3D para unidades hospitalares, entre elas o Hospital Municipal de São José dos Campos. Cada equipamento é montado com uma haste para a cabeça, uma folha de acetato transparente e um elástico para fixação.