Início Polícia Três visitantes são flagradas com drogas em presídios do Vale do Paraíba

Três visitantes são flagradas com drogas em presídios do Vale do Paraíba

(Fotos Divulgação/SAP)
Publicidade

Três mulheres foram barradas ao tentarem entrar com entorpecentes em unidades prisionais de Potim e de Caraguatatuba no domingo, dia 14 de julho. Ao todo, foram apreendidos 383,22 gramas de drogas com as visitantes.

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), na Penitenciária “AVEP Jair Guimarães de Lima”, a P1 de Potim, uma mulher de 25 anos foi flagrada ao esconder pequenos pacotes de maconha dentro de pedaços de carne. O material foi encontrado quando agentes faziam a revista nos alimentos que a suspeita entregaria para seu marido, sentenciado da unidade prisional. A visitante trazia 148,32 gramas da erva em 18 “trouxinhas” de plástico e foi encaminhada para a Delegacia de Polícia de Aparecida, onde foi lavrado o Boletim de Ocorrência.

(Fotos Divulgação/SAP)

Em Caraguatatuba, no Centro de Detenção Provisória (CDP) “Dr. José Eduardo Mariz de Oliveira”, duas jovens foram surpreendidas com drogas dentro do corpo ao passarem pela revista por escaneamento corporal. Ambas têm a mesma idade, 19 anos, e levariam os entorpecentes a seus respectivos companheiros, detentos do presídio.

No primeiro flagrante, que aconteceu pouco antes das 11h, a visitante carregava um invólucro com 22,78 gramas de cocaína e 129,47 gramas de maconha na vagina. A jovem confessou a infração ao ser questionada pelas agentes e retirou o material espontaneamente, em local reservado.

Logo em seguida, com as imagens geradas pelo bodyscanner, um objeto estranho foi identificado na região pélvica da segunda suspeita, que negou portar ilícitos e foi encaminhada para a Delegacia de Polícia de Caraguatatuba. Ao ser indagada pelos policiais, a visitante do CDP revelou que trazia 82,65 gramas de cocaína no órgão genital.

(Fotos Divulgação/SAP)

As três mulheres tiveram seus nomes suspensos do rol de visitas da SAP. As direções das unidades prisionais enviaram comunicados para a Vara de Execuções Criminais, além de instaurarem Procedimento Disciplinar Apuratório.